Browse

You are looking at 1 - 2 of 2 items for :

  • Business and Economics x
  • Energy: Demand and Supply; Prices x
  • Debts, External x
  • Books and Analytical Papers x
  • External debt x
  • International Economics x
  • International Agreements and Observance; International Organizations x
  • Public finance & taxation x
  • Petroleum industry and trade x
  • Society and Social Sciences x
  • Refine By Language: Portuguese x
Clear All
International Monetary Fund. African Dept.
No seguimento da estabilidade macroeconómica alcançada num contexto especialmente difícil em 2020, a recuperação que teve início em 2021 prosseguiu em 2022 favorecida pelos elevados preços do petróleo. O segundo mandato do Presidente João Lourenço, – iniciado no ano passado – centra-se na promoção da diversificação e do crescimento não petrolífero. Porém, Angola enfrenta desafios significativos em 2023, designadamente o agravamento das perspectivas para os preços do petróleo, a diminuição da produção petrolífera, um contexto externo altamente incerto e a necessidade de reverter a grande flexibilização orçamental do ano passado. Esta última será apoiada pela conclusão integral da reforma dos subsídios aos combustíveis, anunciada pelo governo em 1 de junho de 2023. A capacidade de reembolso de Angola ao FMI é adequada, embora sujeita a riscos elevados. No caso de se materializar um cenário adverso que envolva um choque prolongado dos preços do petróleo, os indicadores de reembolso deteriorar-se-ão, mas permanecerão adequados.
International Monetary Fund. African Dept.
Near-term macroeconomic prospects continue to improve in the context of higher oil prices and a gradual global recovery from the pandemic shock, but the medium-term outlook remains challenging and highly uncertain. Oil production remains muted, debt and inflation remain elevated, and non-oil activity is expected to recover only gradually. However, continued strong fiscal performance (aided by higher oil revenues), exchange rate stabilization, and a return to positive non-oil growth would contribute to a reduction in the debt-to-GDP ratio this year, easing debt vulnerabilities.